Quinta, 05 de Agosto de 2021 14:54
(67) 981719389
Cidades BONITO MS

Em meio à pior seca dos últimos 40 anos, avanço do fogo ameaça região de Bonito (MS)

Mais de 2,7 mil hectares já foram queimados. Segundo a Agência Nacional de Águas, desde abril, todo estado de Mato Grosso do Sul enfrenta uma seca extrema.

10/07/2021 22h18
288
Por: Redacao Fonte: Por Jornal Nacional
Em meio à pior seca dos últimos 40 anos, avanço do fogo ameaça região de Bonito (MS)
Em meio à pior seca dos últimos 40 anos, avanço do fogo ameaça região de Bonito (MS)

Bombeiros, brigadistas, voluntários, fazendeiros e ambientalistas se uniram para combater o fogo que se alastra, sem controle, na Serra da Bodoquena, em Mato Grosso do Sul. As chamas ameaçam a região de Bonito, um importante destino do ecoturismo brasileiro.

O fogo avança pela região do Rio da Prata. A vegetação secou e queima rápido, como um rastilho de pólvora. A linha de fogo tem quilômetros de extensão. Os campos de lavoura são usados como pista de pouso e os fazendeiros levam carros-pipa para abastecer os aviões.

"Mais de 150 mil litros de água na frente do fogo, temos mais de 50 bombeiros em operação nesses dois quilômetros de fogo, e nosso maior desafio é chegar próximo", destaca Artêmison de Barros, subcomandante-geral do Corpo de Bombeiros MS.

O horizonte em chamas impressiona. A matéria orgânica seca e em decomposição libera gases que potencializam o fogo. No desespero, um funcionário da fazenda resfria a vegetação usando a mangueira.

“É a pior seca que tem realizado nos últimos 40 anos, segundo dados históricos. Muita massa seca e os tratores não têm como entrar para fazer medidas de contenção”, declara Jeferson Doreto, presidente Sindicato Rural de Bonito.

Os fazendeiros criaram uma força-tarefa com bases de apoio aos brigadistas e bombeiros e com maquinários agrícolas para abrir aceiros. Os tratores passaram o arado sobre as plantações de milho e feijão para tentar barrar as chamas.

Segundo a Agência Nacional de Águas, desde abril, todo estado de Mato Grosso do Sul enfrenta uma seca extrema. O solo reteve menos de 40% da umidade das chuvas de verão, e a frente-fria das últimas semanas secou ainda mais as lavouras. O incêndio se alastra na região conhecida como banhado do Rio da Prata, um tipo de brejo com vegetação seca por cima. Mais de 2,7 mil hectares já foram queimados.

A vegetação do banhado funciona como uma caixa d’água, retém parte das chuvas abastecendo lentamente o lençol freático formando rios na região. Mas, segundo os pesquisadores, ao longo das décadas, a abertura de canais para drenar a água e abrir novas áreas de cultivo transformou a paisagem.

Onde o fogo passou, é possível ver os riscos que são os canais de drenagem. As polícias Ambiental e Civil estão fazendo perícia na região para saber onde o fogo começou.

A noite chega e o clarão das chamas pode ser visto por quilômetros. Os tratores reviram o solo para apagar o fogo, mas a situação está longe de ser controlada.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.