Escola Alfa
Refiz 2020 Governo Estadual
Matricula Digital ( Bônus)
saúde

Grupo de pesquisa descobre fruto pantaneiro que pode ajudar no combate ao câncer

Fruta é usada como isca na região

11/02/2020 22h34
Por: Redacao
Fonte: Thiago de Souza
318
Fruto pode combater doenças graves. (Foto: Divulgação Grupo pesquisadores)
Fruto pode combater doenças graves. (Foto: Divulgação Grupo pesquisadores)

Grupo de pesquisadores das UFMS descobriu que o Tucum, fruto  da região pantaneira, possuiu compostos bioativos que podem ajudar no combate e tratamento do câncer e outras doenças. A fruta é usada por muitos como isca para pesca na região.

Conforme a divulgação, os pesquisadores são coordenados pela nutricionista e doutura em Ciências da Cirurgia, Elisvânia Freitas dos Santos. O Tucum tem casca e polpa roxa e é nesta parte do fruto que estão as substâncias usadas na pesquisa. Diabates e doenças cardiovasculares são outras doenças cujo fruto pode ser benéfico.

Até o momento não existe nenhuma pesquisa sobre as atividades farmacológicas deste produto, e isso foi justamente o que chamou a atenção do grupo de pesquisadores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Alimentos e Nutrição (FACFAN) da UFMS.

De acordo com a Drª Elisvânia, alguns resultados preliminares do estudo já comprovaram que o produto não é tóxico.

“Comprovando a não toxicidade do Tucum, o próximo passo é analisar se os compostos deste fruto, introduzidos na alimentação, podem ser benéficos no combate ou até mesmo no tratamento de doenças graves como o câncer”, avalia a coordenadora do projeto.

“Fazem parte do projeto o Prof. Dr Rodrigo Juliano Oliveira do Centro de Estudos em Células Tronco, Terapia Celular e Genética Toxicológica (CeTroGen); a aluna de pós-graduação Luane Aparecida do Amaral, além de alunos de iniciação científica, graduandos, doutorandos e técnicos que, juntamente com os professores, estão empenhados em descobrir de que forma este fruto, tão comum no Pantanal, pode ser benéfico para a nossa saúde”, avalia a coordenadora do projeto.

Esta pesquisa conta com recursos do Edital Universal, uma chamada pública ofertada pelo Governo do Estado de Mato Grosso do Sul por meio da Semagro e Fundect.