Quinta, 01 de Outubro de 2020 16:27
(67) 996972768
Política Congresso

Execução de jornalista na fronteira repercute da prefeitura ao Congresso

Classe política lamentou morte e cobrou ações em segurança

13/02/2020 13h27
218
Por: Redacao Fonte: Jones Mário
Simone disse que execução é sinal de urgência em investir na segurança das fronteiras (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)
Simone disse que execução é sinal de urgência em investir na segurança das fronteiras (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)

A execução do jornalista Lourenço Veras, o Leo, na noite desta quarta-feira (12), em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha de Ponta Porã, foi repercutida pela classe política local e nacional.

Prefeito do município sul-mato-grossense, Hélio Peluffo lamentou o ocorrido, “principalmente pela violência”.

O gestor ainda manifestou solidariedade “com familiares e imprensa fronteiriça pela perda do profissional”.

 
Prefeito Helio Peluffo manifestou solidariedade aos familiares e colegas de imprensa (Foto: Divulgação)Prefeito Helio Peluffo manifestou solidariedade aos familiares e colegas de imprensa (Foto: Divulgação)

A senadora por Mato Grosso do Sul, Simone Tebet (MDB), escreveu no Twitter que o assassinato do jornalista do site Porã News “é mais um capítulo escrito pelo crime organizado” e “não pode ficar impune”.

A parlamentar também prestou “solidariedade aos familiares e amigos”. Segundo ela, a execução é mais um “sinal da urgência em investir na segurança nas fronteiras”, a fim de mantê-las “blindadas e seguras do livre trânsito de criminosos, traficantes e assassinos”.

“Pelas fronteiras passam contrabando, tráfico, pirataria, lavagem de dinheiro... Financiam o crime organizado. Aterrorizam as nossas cidades. Impactam todo o Brasil”, completou Simone.

Do Rio de Janeiro, o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) também comentou a morte de Leo Veras. Ele relacionou a execução do jornalista à ação de “narcoterroristas”.

 
Jornalista Leo Veras foi assassinado em casa, na noite desta quarta-feira (Foto: Sidnei Bronka/Arquivo)Jornalista Leo Veras foi assassinado em casa, na noite desta quarta-feira (Foto: Sidnei Bronka/Arquivo)

Caso - Veras já havia denunciado à polícia as ameaças de morte que teria sofrido, devido ao seu trabalho cobrindo investigações e o narcotráfico na fronteira do Brasil com o Paraguai, em Mato Grosso do Sul.

Na noite de ontem, três pistoleiros encapuzados invadiram sua casa no Jardim Aurora, em Pedro Juan Caballero, e o mataram com pelo menos 12 tiros.

O jornalista tentou correr, mas foi atingido nas costas e caiu no quintal da casa. Já no chão, levou o “tiro de misericórdia” na cabeça. Veras chegou a ser socorrido a um hospital particular, mas morreu quando era atendido.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.