Terça, 11 de Agosto de 2020 03:26
(67) 996972768
Porto Murtinho PANTANAL

Região do pantanal em Porto Murtinho deve sofrer seca severa com pico no fim de outubro, projeta Serviço Geológico do Brasil

Nível do rio Paraguai em Ladário e Porto Murtinho está mais de 2 metros abaixo do registrado no mesmo período do ano passado e projeção é de uma queda ainda maior.

21/07/2020 19h01 Atualizada há 3 semanas
220
Por: Redacao
Arquivo (Porto Murtinho Notícias )
Arquivo (Porto Murtinho Notícias )

A bacia do rio Paraguai, onde se situa o Pantanal, deve enfrentar em 2020 uma seca severa, com pico, no território de Mato Grosso do Sul, entre a segunda quinzena e o fim de outubro. A projeção é do boletim de monitoramento da bacia, divulgado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

O pesquisador do CPRM, Marcelo Parente Henriques, diz que desde junho o monitoramento dos níveis dos rios da região já indicava a tendência de uma seca severa na área da bacia, com nível dos rios muito abaixo do normal em Cáceres (MT), Porto Conceição (MT), Ladário (MS), Porto Murtinho (MS) e Cuiabá (MT).

O boletim de monitoramento aponta que a sequência de alguns anos com chuvas abaixo da média na região combinada com uma seca extrema, com a que vem sendo registrada em 2020, explica os níveis reduzidos nos rios da bacia.

Em Ladário, cidade vizinha a Corumbá, a estação fluviométrica registrou na sexta-feira, dia 17, 1,74 metros de nível no rio Paraguai. A marca está 2,18 metros abaixo dos 3,92 metros do mesmo dia do ano anterior, 17 de julho de 2019.

Em Porto Murtinho, a diferença na mesma comparação também é maior que 2 metros, de 4,88 metros caiu para 2,80 metros o nível do rio Paraguai.

O Serviço Geológico do Brasil aponta, com base em dados do Centro de Previsão Climática da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (CPC/NOAA) e do CPTEC/INPE, que para as próximas duas semanas não estão previstas chuvas significativas na bacia.

Dessa forma, o CPRM, projeta que essas chuvas não devem provocar aumento dos níveis do rio Paraguai, pelo contrário, a previsão para os próximos 28 dias é de uma recuo ainda maior. Em Ladário a projeção é que caia para 1 metro e em Porto Murtinho para 2,28 metros.

Efeitos

A seca severa na região deve impactar, conforme o estudo do CPRM, a economia e o meio ambiente. Na economia, pode afetar a navegação pelo rio Paraguai, hidrovia por onde o estado escoa grãos e minérios, além da pecuária, principal atividade da região em Mato Grosso do Sul.

No meio ambiente a preocupação é com o aumento das queimadas diante da seca. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), do início do ano até domingo (19) haviam sido registrados 3.179 focos de incêndio no Pantanal de Mato Grosso do Sul. É o maior número desde 1998, quando o monitoramento começou a ser realizado.

Além destes dois aspectos, um terceiro que pode ser citado é o da saúde da população. Com grande número de queimadas ocorrendo, cidades como Ladário e Corumbá, chegam a ficar encobertas pela fumaça dos incêndios. A lista de problemas de saúde que podem ser provocados pela inalação da fumaça das queimadas florestais é grande, segundo as autoridades de saúde. Vai desde dor e ardência na garganta, passando pela tosse seca, cansaço, falta de ar, dificuldade para respirar, dor de cabeça e rouquidão, até chegar ao lacrimejamento e vermelhidão nos olhos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.