Terça, 29 de Setembro de 2020 09:39
(67) 996972768
Paraguai CHACO

Vestígios da Guerra do Chaco e da ferrovia Casado são encontrados na Rota Bioceânica

Uma delegação partiu do Ministério de Obras Públicas e Comunicações (MOPC) com destino à cidade de Carmelo Peralta, Departamento de Alto Paraguai, para fiscalizar os objetos encontrados na serra do Chaco, na rota da Rota Bioceânica, e assim poder identificar o período a que pertenceriam as antigas estruturas.

14/09/2020 21h22 Atualizada há 2 semanas
1.233
Por: Redacao Fonte: Por Alcides Manena
Reveja. Os especialistas do MOPC analisaram os restos mortais in situ e afirmaram que são da guerra
Reveja. Os especialistas do MOPC analisaram os restos mortais in situ e afirmaram que são da guerra

Com efeito, o que se encontrou são vestígios da Guerra do Chaco e da ex-ferrovia do Casado, segundo os dados do MOPC, que recolheu as informações com a presença do Diretor de Relações Públicas, Édgar Ibáñez, e representantes da Comissão Nacional Valorização e promoção do patrimônio tangível. Para tanto, foi feito um registro de imagens e entrevistas com os moradores do bairro Carmelo Peralta.

O local onde foram encontrados os restos mortais seria o Fortín Mina Cué, onde puderam ser verificados os restos de caminhões, cisternas, forcados, bem como várias infra-estruturas edilícias e marcos históricos.

A descoberta representa para os pesquisadores uma viagem no tempo e uma situação histórica que coincide com vários aspectos, como o aniversário da morte do Marechal José Félix Estigarribia, ocorrida em 7 de setembro de 1940; e, além disso, com a rota da Rota Bioceânica, que registra os primeiros quilômetros de estrada asfaltada no departamento de Chaco.

No caso das ferrovias do Casado, eram obras da extinta empresa petroleira Carlos Casado SA, que construiu a estrutura ferroviária de Puerto Casado ao Quilômetro 145, chamada Punta Riel, local que já existia muito antes da guerra.

Este ponto posteriormente se tornou um importante suporte logístico durante a guerra, uma vez que toda a logística, como veículos, alimentos, armas e soldados, era transportada para o front de batalha através de seus trens.

Com os dados recolhidos, os investigadores vão preparar um relatório para a Comissão Nacional de Valorização instalar uma mesa de trabalho e realizar um próximo trabalho, com o intuito de colocar o local em condições para os cidadãos o mais rapidamente possível.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.