Terça, 24 de Novembro de 2020 05:02
(67) 98171-9389
Campo Grande EXECUÇÃO

Homem executado na rua foi atingido por 20 tiros de fuzil

Condenado por tráfico, Davi Rodrigues dos Santos, 36, já tinha escapado da morte em 2009

19/11/2020 14h50
107
Por: Redacao Fonte: Helio de Freitas, de Dourados
Crianças no local onde ex-presidiário foi fuzilado em Ponta Porã; cena corriqueira na fronteira (Foto: Direto das Ruas)
Crianças no local onde ex-presidiário foi fuzilado em Ponta Porã; cena corriqueira na fronteira (Foto: Direto das Ruas)

Foi identificado como Davi Rodrigues dos Santos, 36 anos, o homem fuzilado nesta quinta-feira (19) em Ponta Porã, a 323 km de Campo Grande. Condenado por tráfico de drogas, ele estava foragido da Justiça e já tinha escapado de outro atentado a tiros em 2009.

De acordo com a polícia, Davi foi atingido por pelo menos 20 tiros de fuzil calibre 5,56. O braço e a mão direita dele foram destroçados pelos disparos, indicando que o homem tentou se proteger com as mãos. Cartuchos deflagrados foram recolhidos no local.

O crime ocorreu por volta de 11h no residencial Jamil Saldanha Derzi, região norte da cidade. Davi estava armado com uma pistola 9 milímetros e chegou a trocar tiros com os pistoleiros, mas foi executado no meio da rua.

Testemunhas relataram que os matadores estavam em uma SUV. Em seguida à execução, outro carro passou pelo local e um dos ocupantes recolheu a pistola que estava do lado do corpo.

Davi tinha sido preso por tráfico de drogas em 2011 e 2013 e morava há pouco tempo no residencial onde foi morto. Nesta quinta-feira, ele se encontrava em um mercadinho do bairro quando os pistoleiros chegaram.

Ele teria gritado para os criminosos “aqui não, tem criança, tem criança” e saiu correndo. Moradores do bairro relatam terem ouvido primeiro quatro tiros de pistola. Em seguida ouviram a rachada de fuzil.

Ainda segundo relatos de moradores em grupos do aplicativo WhatsApp, Davi estava com o filho pequeno no mercado. A criança teria ficado perdida na rua chorando após ver o pai morto, mas a polícia não confirma essa informação.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.