Sábado, 16 de Janeiro de 2021 13:06
(67) 981719389
Dólar comercial R$ 5,3 1.814%
Euro R$ 6,41 +1.17%
Peso Argentino R$ 0,06 -0.09%
Bitcoin R$ 209.123,84 +3.69%
Bovespa 120.348,8 pontos -2.54%
Porto Murtinho PORTO MURTINHO

Aliciamento de indígenas e paraguaios para trabalho escravo tem sido recorrente em Fazendas na região de Porto Murtinho

Resgate de 11 pessoas em fazenda na fronteira ocorreu após denúncia de mãe de adolescente

06/01/2021 16h13 Atualizada há 4 dias
223
Por: Redacao Fonte: Gabriel Maymone
Local onde os trabalhadores dormiam (Foto: André Kempf/ AFT)
Local onde os trabalhadores dormiam (Foto: André Kempf/ AFT)

resgate de 17 pessoas que trabalhavam em condição de escravidão em uma fazenda em Porto Murtinho no dia 15 de dezembro, chamou a atenção pelo fato de ter 2 adolescentes e seis paraguaios. A situação envolvendo esses grupos tem sido recorrente, principalmente, em propriedades localizadas na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai.

O procurador do MPT-MS (Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul), Paulo Douglas Almeida de Moraes, comentou que esses grupos estão sendo aliciados para o trabalho escravo e a situação é preocupante. “É uma sinalização de que estamos a caminho de ter o quadro que tínhamos em 1995 na região de Água Clara e Ribas do Rio Pardo. Era endêmico em carvoarias”, disse.

Ainda conforme o procurador, a situação é recorrente e está crescendo na região. “Basta ir até a fronteira e pegar uma fazenda reformando pastagem que vai ter esse tipo de problema”, comentou.

Denúncia da família

Neste caso de Porto Murtinho, a fiscalização do MPT chegou ao local após uma denúncia vinda da mãe de um dos adolescentes, que é indígena, que procurou a PF (Polícia Federal) reclamando que o filho de 14 anos havia ido trabalhar em uma fazenda há cerca de 2 meses e não havia voltado ainda.

Então, quando os AFTs (Auditores Fiscais do Trabalho) chegaram ao local, verificaram a existência dos barracos de lona improvisados, onde o menor e os demais estavam alojados.

Os detalhes do resgate foram repassados pelo auditor do trabalho, Antônio Parron, que atuou na ação. “Esse tipo de atividade é comum nas grandes propriedades, que para fazer a limpeza de pasto, por exemplo, contratam prestadores de serviço terceirizados para reduzir custos”, explicou.

Ainda conforme Parron, esses alojamentos que abrigam trabalhadores em condições análogas à escravidão ficam escondidos e a fiscalização depende de denúncias para chegar até essas pessoas. “Hoje com o acesso à internet melhorou muito, pois temos um canal de denúncias não só do MPT, mas do MPF [Ministério Público Federal] e da PF [Polícia Federal], que estão atentos a essa questão e criaram meios de acesso para que a população possa trazer informação. Como até em lugares mais remotos nas fazendas tem Wi-fi, acabamos recebendo as denúncias”, concluiu.

Como denunciar

O trabalhador que quiser fazer alguma denúncia pode utilizar o aplicativo MPT Pardal, disponível para Android e IOS ou o site do Ministério Público do Trabalho (https://mpt.mp.br/pgt/servicos/servico-denuncie). A pessoa interessada pode fazer uma denúncia anônima, sem identificação.

O governo federal também disponibiliza um canal de denúncias, que pode ser acessado pelo link https://denuncia.sit.trabalho.gov.br/home.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.